Feeds:
Artigos
Comentários

Vida Longa ao Centro de Cultura Social! Viva a Cultura e a Organização Popular!

Em 1966, durante as fortes chuvas que castigaram o Rio de Janeiro, a casa da Rua Torres Homem, 790, conhecida na época como Associação Baiana, abrigou dezenas de desabrigados do Morro dos Macacos que perderam suas casas e pertences. Nesse meio século, o espaço se tornou uma referência comunitária para a vizinhança e moradoras/es do bairro, chamado por muitas pessoas de “casa dos baianos”, onde aconteciam também bailes comunitários e partidas de futebol em sua quadra.

13529206_1019878844775305_3583820709778804075_n

No final de 2001, foi fundada a Biblioteca Social Fábio Luz em uma das salas da casa. Em 2003, o local foi ocupado por um grupo de pessoas com novas propostas, e passou a se chamar Centro de Cultura Social (CCS-RJ). Ao longo desses 13 anos vem abrigando diversos trabalhos, como uma oficina de panificação de bolinhos com jovens do Morro dos Macacos; a oficina de educação ambiental e reutilização de materiais para o “Boas Ideias Magníficos Ideais”, de Maurílio Birimbau; o grupo Luz do Sol, com atividades voltadas para jovens e crianças; um letramento escolar; um cineclube com debates entre jovens; uma cooperativa de fraldas; o pré-vestibular comunitário Solidariedade e o trabalho de educação popular infantil Germinar, ambos organizados pelo Movimento de Organização de Base (MOB); aulas de Kung Fu; o Grupo de Capoeira Angola Mocambo de Aruanda; um dos núcleos do grupo de consumo coletivo Rede Ecológica; o Bazar du Bom; oficinas de serigrafia; atividades de muralismo na fachado do CCS; a cooperativa de venda de livros Jataí e a Biblioteca Social Fábio Luz, utilizada por muitos pesquisadores e estudantes.

camp-02

Além desses trabalhos, o espaço do CCS é conhecido por suas inúmeras atividades comunitárias e de confraternização. Realizamos eventos como festas julinas, almoços, feijoadas de solidariedade, atividades culturais, encontros de pré-vestibulares comunitários, oficinas sobre os direitos trabalhistas, o evento de Rap Linha Cultural e outras festividades, mobilizando e animando tanto a comunidade quanto nossos voluntários. O espaço também é cedido aos moradores do bairro para suas festas familiares, a preços acessíveis. Assim, o CCS-RJ busca ser uma referência para a comunidade e a vizinhança, abrigando e apoiando iniciativas de geração de renda, bem como atividades culturais e de educação popular, dialogando e apoiando os movimentos sociais, os espaços comunitários locais e de outros bairros.

convite_feijoada_internet

Mas todo esse esforço de décadas está ameaçado. Apesar das diversas atividades sociais e culturais que sempre foram realizadas no local, a entidade gestora anterior nunca pleiteou a isenção dos valores absurdos do IPTU cobrados pela Prefeitura. O resultado foi que nunca conseguiram pagar o IPTU do imóvel e, quando a atual gestão assumiu o espaço, a dívida já era enorme e impagável.

É importante dizer que todo trabalho realizado no CCS-RJ não recebe nenhum tipo de financiamento público ou privado. Cada atividade é autossustentada com seus próprios recursos gerados a partir de contribuições de seus participantes e outras formas de geração de renda como venda de materiais, camisas ou doações. Para existir o CCS-RJ conta com muito esforço, solidariedade e trabalho voluntário. Para nós, um espaço com função social para a comunidade, como o CCS-RJ, não pode pagar valores altíssimos de IPTU, por isso nos negamos a pagar esta enorme e injusta dívida.

muralismo_04

Devido à dívida que se acumulou, o espaço poderá ser leiloado e o CCS-RJ despejado pela Prefeitura em um futuro muito próximo. Precisamos, portanto, nos organizar para evitar que esse histórico espaço comunitário de Vila Isabel seja fechado e entregue à especulação imobiliária. Vamos reunir a nossa comunidade no esforço de preservar o CCS-RJ e todos os seus trabalhos sociais e sonhos. Lutemos pela garantia de continuidade de funcionamento desse importante espaço comunitário.

O CCS-RJ encontra-se desde julho em assembleia permanente de resistência, fazendo atividades de mobilização junto com as pessoas que querem ver esta casa viva e popular por muitos e muitos anos. Venham nos visitar, as portas estão abertas para todas e todos que queiram chegar junto e apoiar.

Estamos também lançando uma campanha!

Demonstre seu apoio ao CCS colocando a hashtag #euapoioccs! Vamos pressionar nas ruas e nas redes, a manutenção desse espaço popular!

CCS Resiste!

#euapoioccs

View story at Medium.com

camp-03

DEMONSTRE SEU APOIO AO CCS! TIRE UMA FOTO COM HASHTAG #euapoioccs e venha se organizar nas assembleias comunitárias de resistência que estão acontecendo no espaço.

campo-calendario

cartaz_germinar_final

 

O Germinar é realizado no Centro de Cultura Social (CCS-RJ), em atividades com crianças entre 6 a 9 e pré adolescentes de  7 a 14 anos de idade, meninos e meninas do Morro dos Macacos (Vila Isabel), aos sábados de 9h da manhã ao Meio-dia. Este trabalho é uma ferramenta que busca desenvolver valores coletivos e de apoio mútuo entre as crianças. Buscando também envolver seus familiares e a comunidade ao dialogar a realidade das crianças, junto com o trabalho de resgate e memória de datas e eventos de resistência e luta do povo (8 de Março: Dia Internacional das Mulheres, Primeiro de Maio: Dia das Trabalhadoras e Trabalhadores, 20 de Novembro: Dia da Consciência Negra, Grito dos Excluídos, entre outras), com oficinas, atividades culturais, educação ambiental e reciclagem, expressão corporal, esporte, brincadeiras lúdicas e criativas. Sabemos que nas favelas cariocas há uma precariedade e descaso total do poder público em suprir as necessidades básicas dos moradores, como educação, cultura, moradia, saúde, trabalho, lazer. Nesse sentido o Germinar busca atuar não apenas a partir de demandas culturais, afetivas e de lazer das crianças, mas ajudar também na construção de uma identidade com propostas de poder popular com autonomia. Estimulando o debate e soluções coletivas para estas questões com o protagonismo dos moradores e daqueles que participam das atividades.

cartaz_pre_2014

 

Aos interessados(as), em fevereiro, serão realizadas as pré-inscrições para a formação da turma 2014 do Pré-Vestibular Comunitário Solidariedade.

Os(as) interessados(as) devem estar cursando ou ter concluído o ensino médio e levar cópia da identidade (RG), cópia da carteira de trabalho, comprovante de residência e 1 foto 3×4 para realizar sua inscrição. A inscrição de menores de idade só será efetivada com autorização dos pais. As inscrições serão realizadas às terças e quintas de 17h às 20h no Centro de Cultura Social, que fica na Rua Torres Homem 790 – Vila Isabel. Não cobramos taxa de inscrição!

As aulas começam no dia 10 de Março e o pré-comunitário tem professores de todas as matérias exigidas pelo Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM). Lembrando que a aprovação na prova do ENEM, não apenas é uma porta de entrada em universidades públicas, como pode servir de certificação de conclusão do Ensino Médio.

O pré funciona de segunda a sexta-feira, de 19h às 22h.

O pré-comunitário solicita uma contribuição mensal de R$ 35,00 por mês para cobrir seus gastos, mas dá isenção para desempregados/as e trabalhadores/as em situação de carência econômica de acordo com a demanda.

Venha construir a educação popular com a gente! Vamos derrubar os muros da universidade!

O pré-comunitário é organizado pelo Movimento de Organização de Base (MOB) e funciona no Centro de Cultura Social.

Feijoada Solidária!

Muralismo no CCS-RJ

Nos dias 21 e 28 de abril, foi realizada uma atividade de muralismo em conjunto com os jovens que participam da oficina de artes do Grupo Luz do Sol. Antes da pintura, foi feita uma conversa sobre o muralismo e sua proposta. A partir de desenhos, frases e idéias das crianças, sobre o que elas achavam que fosse importante estar presente no desenho, foi elaborado uma proposta de composição para o muro. Durante a pintura, algumas cores e traços mudavam,  as crianças davam opiniões e sugestões.

O Muralismo

Muitas vezes podemos observar um costume social do ser humano de fazer desenhos e pintar os lugares onde vive em comunidade. Por exemplo, as Pinturas Rupestres, feitas pelos antigos homens nas paredes das cavernas, o graffiti, o muralismo, os enfeites e pinturas feitos em festividades populares. Ou como qualquer outro tipo de arte feita nos muros e paredes das cidades.

A arte do Muralismo que fazemos no Muro do CCS é uma ideia que vem do Chile, na década de 70. Hoje, vários países da América Latina fazem esta arte, inclusive no Brasil, em São Paulo e no Rio Grande do Sul, em alguns bairros de Porto Alegre. As imagens do Muralismo servem para lembrarmos das coisas que são importantes e boas para a comunidade. As cores que usamos são as nossas cores da América  Latina: As cores dos índios, dos negros e das misturas dos povos e culturas que vivem aqui. O Muralismo é feito de maneira coletiva, o que significa que todos podem participar fazendo alguma parte da tarefa.

 

 

Primeiro de Maio, dia dos trabalhadores!

1o de Maio é dia de se lançar às ruas e comemorar as grandes lutas: greves, ocupações, manifestações, mobilizações etc. É uma data para relembrarmos reivindicações e campanhas organizadas pelo povo para exigir e conquistar direitos e condições de trabalho mais dignas.

A origem da data está em 1886, quando as mobilizações pela jornada de 8 horas foram brutalmente reprimidas pela polícia e 5 operários são condenados à pena de morte.

Devemos manter este dia em nossa memória, para não esquecer que o povo sempre é forte quando se organiza para combater as injustiças sociais, resolver seus problemas pela ajuda-mútua, resistindo assim aos interesses capitalistas dos patrões, que enriquecem com a exploração das vidas e do trabalho do povo. O 1o de Maio pertence às trabalhadoras e trabalhadores do campo, da cidade, aos trabalhadores informais, sem carteira assinada, aos camelôs. Pertence aos homens e mulheres que sobrevivem terceirizados, sobretudo negros e negras, em condições de trabalho precarizadas e sofrendo os abusos de suas empresas. Aos professores de escolas públicas, com baixos salários e péssimas condições de trabalho. Pertence aos prestadores de serviço, balconistas, caixas, operadores de telemarketing e todos aqueles que não se conformam com o desrespeito e exploração a que são submetidos diariamente em troca de salários que não dão conta dos altos custos de vida.

No 1o de Maio também lembramos e afirmamos todas as lutas de hoje: os grupos de economia e investimento comunitários; as cooperativas de produção e venda no campo e na cidade; os espaços de cultura, cursos de pré-vestibulares e de reforço escolar comunitários; as ocupações por moradia e trabalho; os grupos culturais, musicais e artísticos que resgatam as manifestações culturais populares; as mobilizações sindicais de base e independentes; a organização popular nas favelas contra a violência policial e as remoções; as lutas contra o racismo, o machismo, a homofobia e toda forma de opressão e preconceito, assim como os demais exemplos de solidariedade do povo organizado.

Por um 1o de Maio independente que resgate o verdadeiro sentido desta data. Um 1o de Maio de luta, motivação e estímulo para uma verdadeira organização do povo, rumo ao poder popular.

Centro de Cultura Social, Grupo de Educação Popular, Movimento das Comunidades Populares, Movimento dos Trabalhadores Desempregados “Pela Base!”, Organização Anarquista Terra e Liberdade, Organização Popular